Quem está ligado

Temos 11 visitantes e sem membros em linha

Requisição de Anilhas

cobl requisitar anilhas

Criação de Pintassilgos

artigo pintassilgoJá passaram alguns anos disseram-me, “Na criação de pássaros não há segredos pois tudo já foi inventado.” Na altura não entendi, mas hoje reconheço que é verdade. Cada criador tem os seus métodos e fez o seu percurso até ao êxito. Seguidamente apresentarei o meu itinerário, certamente diferente de muitos outros criadores.

A aquisição dos reprodutores ou matrizes é um ponto importante. Só aves saudáveis é que estão em condições de criar. Um pintassilgo saudável tem a barriga cor de carne e o peito não esta afiado. A cor das patas é cor de carne, plumagem está em boas condições sem falta de penas nas asas ou cauda. Atitude na gaiola é altiva mas sem se atirar às grades ou mostrar medo. O tamanho adequado da anilha é importante. Para a subespécie mais pequena (Parva e Tsuchi) é de 2.5 mm e para a maior (Siberiano ou Major) é de 2.7 mm.

O alojamento de um casal a minha preferência vai para a gaiola dupla com 120 cm de comprimento, 40 altura e 50 cm de largura ou viveiro com 2 m de altura e 2 m de comprimento por 1m de largura. Os indivíduos podem ser alojados em gaiola individual com 40 cm de largura por 35 cm de altura e profundidade. As medidas são aproximadas e de carácter indicativo. Todas as gaiolas devem ter um comedouro por pássaro. Isto evita lutas desnecessárias na disputa por alimento. O local deve ter muita luz natural, o pintassilgo é uma ave que gosta do sol e ar livre.

A alimentação base é alpista a disposição, diariamente fornecer uma colher de 5 ml com mistura de sementes AVICOR para pintassilgos e lugres. Esta mistura é especial não tem aveia, nem nabo, nem alpista. No fim do inverno, é altura de habituar os pintassilgos a papa ou farinhada com que irão alimentar as suas crias. A aceitação da papa aumenta as probabilidades de ajudar a ovulação das fêmeas e dos reprodutores sacarem as crias do ninho.

A papa-ovo Cê-Dê seca, misturada com sementes germinadas é suficiente para levar avante a criação de pintassilgos sem alimentação animal. As vezes os pintassilgos não comem papa suficiente e então é necessário fornecer alimento animal. As larvas de tenébrio ou bicho da farinha
(Tenebrio molitor)são bem aceites. Eu compro larvas vivas e fervo-as durante 2 minutos, depois verto-as num passador e arrefeço-as num jacto de água fria. Escorro bem. Reparto as doses de 3 dias por vários recipientes e congelo. A medida que necessito retiro do congelador e no frigorífico descongelo.

Alguns criadores fornecem alguns tipos de sementes simples. Cada tipo tem a sua fama. Não tenho opinião formada pois forneço-as esporadicamente e de forma descontinuada, pois são caras. Não noto grandes diferenças. A nível indicativo aqui vão os nomes para quem quiser pesquisar no Google, experimentar e tirar as suas conclusões. Vou apresenta-las por ordem decrescente importância. Girassol negro micro, Perilla, Chia, Onagra, Foniopady, Cardo.


Plantas e ervas silvestres, para alguns criadores são fundamentais para elevar a forma dos pintassilgos. Na minha opinião depende do grau de domesticação e hábitos dos pintassilgos que possuímos. As ervas silvestres fornecem variedade e quebram a monotonia alimentar. Por outro lado se fornecidas em grande quantidade podem inibir a toma da papa de ovo. As ervas silvestres nem sempre estão disponíveis durante todo o ano isto pode ser uma desvantagem face aos alimentos comerciais. Sem exageros sou adepto e forneço, dente-de-leão (Taraxacum officinale), serralha (Sonchus oleraceus
), urtigas (Urtica dióica), morugem (Stellaria media), beldroega (Portulaca olerácea), tanchagem (Plantago major) . As partes utilizadas são as folhas e a sementes. Ter sempre cuidado com os locais onde colhemos estas plantas. A altura do ano mais indicada para recolha é a primavera e no outono.

Uma alimentação a base de sementes é recomendada fazer pequenas curas com vitaminas. No inverno e outono uso vitaminas na água. Um polivitaminico tipo Vitamino L uso na muda da pena conforme indicações do folheto. No fim do inverno uso AD3E+K como preparativo dos reprodutores. Pontualmente na papa e no resto do ano primavera (criações) e verão (muda da pena), as vitaminas em pó tipo PRIME polivitaminico, com probioticos e minerais.

A bebida deve ser renovada diariamente. A qualidade da água tem influência no aspecto das fezes. Duas vezes por semana forneço 10 ml de vinagre de cidra num litro de água.

Num comedouro separado tenho sempre mineral em pó. Piksteen, pedra de argila com algas, carvão e outros minerais naturais. Um bebedouro partido com Minerais da Bogena ricos em cálcio, fósforo e casca de ostra fina.

A preparação dos reprodutores começa a meio de Fevereiro. Durante 3 dias cura com Vermizoo, contra vermes intestinais e da traqueia, o principio activo tem propriedades imuno estimulantes. Alguns criadores aconselham outras desparasitações com antibióticos de larga espectro, tipo FP 20/20, Sufaprime, Milagrex ou anti-protozoários como Baycox, ESB 3. Em aves saudáveis, na minha opinião, estes produtos são desnecessários.

O período de reprodução dos pintassilgos pode estender-se de Abril a Setembro, normalmente fazem 2 posturas e excepcionalmente 3 posturas se iniciarem cedo a 1ª postura ou alguma abortar pela perda de ovos por picagem.
A meio de Março, coloco os ninhos nas gaiolas. De preferência no lado exterior das gaiolas. Os ninhos devem estar camuflados com plantas plásticas ou ramos artificiais de árvores de natal. Os ninhos exteriores são em forma de taça e em vime. No interior do ninho de vime coloco outro ninho de corda escura. Estes ninhos serão revestidos pela fêmea com algodão, pêlo de cabra e juta.

A postura do primeiro ovo é feita de manhã, e durante 4 a 5 dias cada dia é posto um ovo. Retiro todos os dias o novo ovo e coloco 1 ovo falso. Conservo os ovos numa caixa de madeira e deposito-os sobre areia fina com a ponta para baixo. Podemos conservar os ovos durante 15 dias em ambiente fresco e seco. No fim da postura retiro os ovos falsos e coloco os verdadeiros no ninho. O choco dura 14 ou 15 dias conforme o comportamento inicial de incubação inicial da fêmea. Já me aconteceu perder crias por não ter esperado o suficiente pelo nascimento das crias, é raro mas acontece. Não fornecer papa durante o período de choco.

Na véspera do nascimento forneço papa fresca que será renovada e controlada diariamente. Diariamente renovar e controlar a água de bebida e o embuchamento das crias. A título excepcional caso seja necessário nas ninhadas de 5 crias ajudo com palitada, também já utilizei canarias como ama de recurso. No caso da ama canaria mal o pintassilgo se alimente sozinho retirá-lo dos canários. A anilhagem é feita ao 3º dia após o nascimento. A medida da anilha depende da raça do pintassilgo os pequenos Parva a anilha é 2.5mm e os pintassilgos grandes Major anilha diâmetro 2.7mm.
As crias saltam do ninho por volta dos 15 dias e começam a comer sozinhas depois dos 30 dias. Nesta ocasião o germinado e as sementes de perilla ajudam na emancipação das crias. O ciclo reprodutor repete-se cerca dos 40 dias com uma nova postura. Termina quando os reprodutores sentem a diminuição das horas de luz e o calor aumenta. A queda das penas interrompe o ciclo reprodutivo.

A muda da plumagem é uma época critica tanto para adultos como para os juvenis. Diariamente, bebida com vitaminas, papa de ovo e algumas plantas silvestres ajudam a renovar a plumagem. O banho diário independente da temperatura é importante. Uma ave saudável banha-se mesmo com frio e chuva. Gaiolas espaçosas e com poucas aves ajudam a ter espaço para exercício e limita o stress das aves. A alimentação é a mesma do período de criação, apenas reforçada com alguns vegetais (folha de couve, cenoura). 

Nota final, a higiene nos alojamentos é importante. Todas as gaiolas têm gaveta revestida com folha de papel jornal mudado todos os dias. O ideal seria ter um estrado em rede para isolar o contacto das fezes e impedir comer sementes sujas do chão da gaiola. Os poleiros devem ser limpos ou substituídos regularmente. As patas das aves não devem estar sujas sinal de uma higiene e limpeza deficiente. Só é possível manter aves saudáveis em local limpo regularmente conforme as necessidades. Uma gaiola superlotada suja-se mais rapidamente que uma só com um indivíduo.

As marcas e nomes dos produtos que indico são apenas os que uso ou usei e no mercado existem outros nomes de produtos equivalentes.

Muitas questões ficam sem resposta, pois durante os vários períodos apresentados (Criação, Muda da Pena, Repouso), os imprevistos acontecem. Nessa altura temos de tomar decisões. Um artigo não pode cobrir todas as situações.

 

 

Este artigo  foi gentilmente cedido por Armando Moreira, para publicação na revista EXPO-AVE 2012 ( CLUBE ORNITÓFILO DA BEIRA LITORAL )